Indicados ao Oscar 2019

A Academia soltou os indicados ao Oscar 2019, e seguindo a tendência dos últimos anos de tornar a premiação mais dinâmica (diversificada não seria bem a palavra pro que acontece nessa instituição), a tentativa de ecleticismo só serviu pra deixar o negócio estranho, com buracos, esnobadas, surpresas e mais candidatos questionáveis que o comum. Serviço... Continuar Lendo →

Post Destacado

Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível (2018)

O lado bom desse filme é que ao menos Christopher Robin não se tornou um adulto nostálgico, e o resgate do filme acontece com bem menos saudosismo do que se poderia esperara aqui – não é como se o universo do Ursinho Pooh lhe oferecesse o mesmo escape durante a infância. Ele se aproxima muito... Continuar Lendo →

Um Método Perigoso (2011)

Um Método Perigoso tem um pose muito interessante de thriller erótico ao mesmo tempo em que é, aparentemente, uma corrida pela melhor teoria que explique aspectos da psique humana. Todas as relações do filme assumem essa dinâmica parasítica que de certa forma lembra os motes dos primeiros trabalhos do Cronenberg lá nos anos 80, só... Continuar Lendo →

A Balada de Buster Scruggs (2018)

O western dos Coen tem possibilidades infinitas, e em A Balada de Buster Scruggs eles contam histórias que mesmo tipicamente lidando com situações e temas caros das histórias ambientados durante esse espaço / período – assaltos, vingança – as histórias adquirem ainda mais as características cínicas de trabalhos como Queime Depois de Ler, com flertes... Continuar Lendo →

Depois da Tempestade (2016)

O Kramer vs. Kramer do Koreeda – e mesmo com um final não convencionalmente feliz, é um dos mais românticos que o cineasta já criou. Depois da Tempestade é o filme da saudade do Koreeda em que o espaço ocupa um papel mais primordial. A ideia de fracasso que o filme constrói parte muito de... Continuar Lendo →

Limite (1931)

Limite é radical e de uma poesia muito crua. Talvez seja a mais perfeita aproximação de cinema com um texto de fluxo de consciência que eu já tenha visto, é um filme que não se permite catalogações imediatas porque está constantemente em movimento – se há que há uma forma ideal de ilustrar uma crise... Continuar Lendo →

No Portal da Eternidade (2018)

A tortuosidade do pintor holandês Vincent van Gogh em No Portal da Eternidade é bem menos linear e tradicional que Com Amor, Van Gogh, e a tentativa aqui é a de emular a mesma lógica de composição de seus quadros – não há preocupações com mundanidades num universo em que a arte é o que... Continuar Lendo →

Senhores do Crime (2007)

A tradição mafiosa de Senhores do Crime acontece de forma bem diferente da aura de familiar de filmes como Os Bons Companheiros, por exemplo – aqui, nem isso rola, já que os russos são frios e burocráticos. A natureza do filme e a progressão da trama torna um pouco difícil de estabelecer comparações diretas com os... Continuar Lendo →

Bom Trabalho (1999)

É o filme militar mais poético que existe. Não há uma relação direta com nada, e a sensibilidade de Claire Denis de comunicar beleza de cenários que, supostamente, são de rigidez e impessoalidade como um campo de treinamento é sem igual – o filme se torna contemplativo sem deixar de se tornar mais tradicional. Há... Continuar Lendo →

Nossa Irmã Mais Nova (2015)

Filmar pra dar orgulho pro Ozu. A ideia de novas composições familiares é o grande eixo de Nossa Irmã Mais Nova, e a apresentação do individuo a novos ambientes acontece com a maior paz. A irmã mais nova, no caso, é a outsider, a parenta criada longe das outras meninas e que, por se encontrar... Continuar Lendo →

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑